Browsing Category

Educando

BRINCADEIRA DE COMIDINHA – UM CLÁSSICO DA INFÂNCIA DE TODOS OS TEMPOS

A brincadeira de comidinha é um clássico da infância que atravessa gerações de diferentes culturas e lugares do mundo. Basta um pedacinho de chão de terra, num parque, praça, no pátio da escola, no quintal de casa ou até mesmo a terra de um vaso de planta da varanda ou da sala.

É preciso também uma pá para escavar e recolher a terra, recipientes e água, para que então, as crianças coloquem a mão na massa no preparo de tortas, bolos e bolinhos. Suas mãozinhas hábeis não só imitam o ato de cozinhar assimilado pelo que veem na família e na escola, como usam a imaginação e criatividade para inventar novos formatos para as criações culinárias.

O bolo pode ser de aniversário, todo decorado, o preferido das crianças, mas também pode ser um bolo comum, apenas para o lanche da tarde, em um faz de conta cheio de encantamento.

Cada criança tem a sua receita. Algumas delas misturam uma medida de terra para meia medida de água. Se a consistência da massa ficar muito mole, elas acrescentam mais terra, ou se ficar muito seca, colocam mais água.

Algumas receitas incluem outros ingredientes, uma vez que na natureza a criança encontra à disposição uma gama de elementos naturais para enriquecer a brincadeira – folhas viram cobertura, sementes e flores viram decoração, gravetos viram vela para soprar na hora de cantar parabéns. E toda essa diversidade de materialidade da terra é estímulo multissensorial – diferentes texturas, cores, aromas, temperaturas e formas.

BRINCADEIRA DE COMIDINHA E SUA RESSONÂNCIA

É desta maneira simples que acontece a brincadeira de comidinha. A profundidade da experiência que essa brincadeira propicia é fantástica, cheia de aprendizado! Com ela as crianças aprendem sobre medidas, quantidades, pesos, proporções, e reações de misturas. A variedade de experiências possíveis é enorme – inclui investigar, testar, repetir, experimentar, classificar, denominar, servir.

Imagem: Centro de Referência em Educação Integral

A brincadeira de comidinha estimula o movimento da criança e gera uma multiplicidade de ações. Por meio dela a criança irá recolher os materiais, encher recipientes de terra e água, irá transportar os recipientes de um lugar ao outro, irá misturar, medir, acrescentar, derramar a água, etc.

Além disso, a brincadeira de comidinha aguça a capacidade analítica da criança ao avaliar quando é necessário acrescentar determinado ingrediente para alcançar seu objetivo. É uma brincadeira que também promove interações sociais intensas nas parcerias, compartilhamentos, conversas e negociações feitas no decorrer da brincadeira.

A pesquisadora da infância, Renata Meirelles, mostra a brincadeira de comidinha em seu livro ‘Cozinhando no quintal’. Com fotos e receitas feitas com flores caídas no chão, grama picada, entre muitos outros ingredientes, a publicação reafirma a potência do brincar na e com a natureza.

Renata e seu marido, o documentarista David Reeks, percorreram o Brasil de norte à sul durante dois anos, coletando registros das nossas crianças em suas brincadeiras de comidinha. O livro é emocionante e inspirador!

Outra publicação que mostra a brincadeira de comidinha, é o livro recém lançado pela Editora Ameli: ‘Livro da Lama: como fazer tortas e bolos’, de John Cage (Autor), Lois Long (Ilustradora).

Neste livro, temos o modo de preparo de diferentes receitas de bolos e tortas feitos de lama. Para os autores, pessoas apaixonadas pela terra, fazer uma torta de lama é nos conectar com a arte em um ato singelo e de criação, que une todas as crianças em suas mais diversas culturas e diferenças – um instante presente e especial particular pertencente a infância de cada um de nós.

A brincadeira de comidinha é uma brincadeira completa, rica e de uma simplicidade ímpar! É uma brincadeira que conecta a criança à natureza, desenvolve um senso estético e cria memórias afetivas de contato com a terra.

Que adulto não tem no baú de recordações da infância a lembrança dessa brincadeira? Da cozinha de casa para o quintal, carregávamos panelas, colheres de pau, pratos de porcelana e toalhinhas de renda para dar vida a comidinha de ‘mentirinha’ – o pulsar da verdade da cultura da infância. E alí no cantinho quintaleiro, instalávamos no chão de terra a nossa cozinha para o preparo de pratos que saciavam a fome da alma.

Hoje, conscientes da importância desse tempo lúdico, precisamos oportunizar essa brincadeira mágica para nossas crianças e acreditar que a natureza é o melhor brinquedo. Precisamos disponibilizar tempo livre, ambiente natural e acesso a utensílios de cozinha que não usamos mais, como peneiras, funis, forminhas, para tornar a brincadeira mais divertida. Precisamos facilitar a relação criança e natureza!

Vamos lá, mão na massa e bom apetite!

Abraços

Ana Lúcia Machado

Dicas para brincar na primavera com as crianças em contato com a natureza

Confira as dicas para brincar na primavera com as crianças em contato com a natureza. É Primavera! Vamos brincar na natureza com as crianças? Vamos festejar a primavera?

Depois de meses de adormecimento da terra, a luz do sol começa a se intensificar, os dias se tornam mais longos. É a natureza que volta a despertar. É a primavera que chega no hemisfério sul.

Sabemos que as mudanças das estações do ano produzem efeitos em cada um de nós, interferem no nosso humor, no sono, apetite, ânimo e até mesmo na disposição ao aprendizado. Perceber as sutilezas dessas mudanças e como cada estação repercute dentro de nós, é uma maneira de nos conectarmos com nossa essência – a natureza que está fora se comunica com o que está dentro. Observar e sentir essas mudanças traz a consciência de que somos também natureza.

“Observe profundamente a natureza e você vai entender tudo melhor” – Albert Einstein

O que a primavera traz de diferente? É tempo de renovação, de reflorescimento. Nos galhos secos, novos brotos começam a despontar e florescer. As paisagens ficam mais coloridas, alegres, e cheias de vida com a floração de diversas espécies. Cada planta, cada flor reafirma a força da natureza em suas manifestações de exuberância, beleza e de luminosidade crescente. Os pássaros cantam, os insetos e animais polinizadores entram em plena atividade.

Nós saímos da cama pela manhã com mais facilidade e mais dispostos. Nos sentimos com mais energia! As crianças agem como se também despertassem do sono do inverno. Elas desejam correr ao ar livre.  Animadas interagem umas com as outras em brincadeiras vigorosas. A nova estação, cheia de cores e aromas, é um convite ao movimento, às cantigas de roda, ao brincar com as flores e folhas!

Um dos aspectos do brincar vivo, que venho apresentando nas formações de professores da educação infantil que tenho ministrado, é este caráter sazonal. As crianças que brincam em ambientes naturais, ao ar livre, revelam prontamente em suas brincadeiras o pulsar da natureza nas qualidades peculiares de cada estação.

Podemos observar nas expressões, nos gestos e movimentos das crianças, a mudança da estação que se aproxima. Como nos ensina a mestra Maria Amélia Pereira, a Péo, os corpos infantis, conhecedores desta intimidade com a terra, comungam com ela em seus ciclos.

BRINCAR NA PRIMAVERA

Selecionei aqui algumas atividades lúdicas para viver momentos de alegria e encantamento com as crianças. Experimente brincar na primavera em contato com a natureza!

Vamos começar recolhendo com as crianças flores e folhas de diferentes formatos e cores, no jardim, praça ou parque. O que podemos fazer com essa coleta?

MANDALA

Acervo Educando Tudo Muda

Encontre um local plano adequado para dispor os materiais coletados.  Escolha um dos elementos coletados como ponto central, e a partir dele distribua os demais materiais ao redor do ponto inicial de forma circular, harmônica, combinada e equidistantes do centro.

GUIRLANDA

Vamos enfeitar a casa com flores?

Comece pela base: um círculo de cipó que você mesmo poderá trançar se encontrar na natureza. Esse círculo é o que dará a estrutura para a guirlanda.  Essa base também poderá ser adquirida em lojas especializadas em fibras naturais: rattan, vime, etc. Este círculo deverá ser recoberto com as folhas e flores coletadas.

PULSEIRA OU BRACELETE

Vamos nos adornar de natureza?

Meça o pulso da criança ou o braço na altura que deseja usar o acessório. Corte uma tira de papelão ou papel cartão usando a medida do comprimento aferida com aproximadamente 3 cm de largura. Forme um círculo e passe fita dupla face em toda a circunferência. Fixe as flores e folhas sobre a fita adesiva.

COROA DE CABEÇA

Acervo Semente Jardim Waldorf SC

A mesma base também será necessária para a coroa de cabeça, mas neste caso o material poderá ser mais leve, como a corda de sisal, o cipó trançado, ou até mesmo arame, (neste caso muito cuidado para não deixar as pontas expostas). Meça a circunferência da cabeça da criança para cortar a corda no tamanho certo. Por segurança, corte com uma margem extra. Com a base pronta, é hora de colocar as flores e folhagens que serão presas à estrutura da coroa. 

Na pedagogia Waldorf existe a tradicional Festa da Primavera, onde toda a comunidade escolar se reúne para comemorar a chegada da estação com canções e histórias primaveris, enfeitando as crianças com coroas de flores.

Criar rituais de celebração à cada nova estação é muito importante para o desenvolvimento infantil, é uma maneira de internalizar os ciclos da natureza, seus ritmos, repetições, e sua ordem. Isto traz para a vida das crianças confiança, segurança e serenidade.

Além disso, vivenciar as estações do ano é fundamental para a criação de vínculo com a terra. Não podemos nos esquecer que nós adultos somos os responsáveis por investir na formação de um reservatório de experiências vivas e reais para a vida das crianças, por apresentar a elas um mundo bom, belo e verdadeiro e assim garantir a formação de uma nova geração de guardiões da natureza.

Quer outras dicas de brincadeiras com elementos naturais? Confira AQUI!

E se você mora na cidade de São Paulo, venha celebrar a chegada da primavera no encontro do Playoutside alegria de brincar na natureza no dia 24/09 no Parque Severo Gomes. Veja os detalhes e faça sua inscrição.

Excelente começo de primavera!

Abraços

Ana Lúcia Machado

O MAIOR BRINQUEDO DO MUNDO

maior brinquedo

Você conhece o maior brinquedo do mundo? Sabia que o graveto é considerado o maior brinquedo do mundo segundo uma pesquisa de 2013 da Universidade do Colorado? Quem nunca se deparou com uma criança brincando com gravetos num parque? Quem nunca voltou de um passeio ao ar livre com uma criança carregada de gravetos? Quem nunca brincou com gravetos na infância? Já parou para pensar em quantos brinquedos diferentes um simples graveto pode se transformar nas mãos das crianças?

Desde que publiquei o livro ‘A Turma da Floresta uma brincadeira puxa outra’, venho observando a relação das crianças com os gravetos em suas brincadeiras e pesquisando o potencial lúdico e artístico desse elemento natural. Na história da Turma da Floresta, os gravetos se transformam em espada, varinha mágica, cavalos, vara de pescar, e muitos outros brinquedos e brincadeiras nas aventuras da criançada no parque.

Quando falamos sobre as brincadeiras infantis, estamos falando da potência do agir da criança, falamos de uma criança ativa, criativa e protagonista. Brincar é algo dinâmico e para as crianças tudo pode ser brinquedo.

Quando falamos sobre brincar com gravetos, ampliamos as possibilidades do universo lúdico infantil. Aos olhos da criança o graveto não é um galho de árvore apenas. Como a criança vê o graveto?

Para as crianças os elementos da natureza são versáteis e podem ser transformados durante as brincadeiras, por meio do faz de conta, e da construção de brinquedos. É assim que elas conhecem a si mesmas, interagem com seus pares e apreendem o mundo. É desta forma que desenvolvem o pensar criativo também, fazendo dos materiais não estruturados laboratório de experimentos e pesquisas lúdicas.

O graveto é um material aberto, isto significa que ele pode assumir os mais variados usos e funções nas brincadeiras infantis. Aos olhos das crianças os gravetos são brinquedos! Eles estão sempre disponíveis para virarem outra coisa nas mãos delas.

Os gravetos são diferentes um do outro. De acordo com sua forma, espessura, comprimento, etc, as crianças vão atribuindo significados particulares a cada graveto encontrado. De bengala vira rapidamente um ponto de exclamação tornando se o maior brinquedo do mundo! É a natureza pedindo para entrar na brincadeira também!

O que faz do graveto um material tão atrativo aos olhos das crianças e tão mágico em suas mãos? Em contato com este material, a imaginação é alimentada, acionando a criatividade e desencadeando a produção de brinquedos e brincadeiras pelas crianças.

Além do potencial lúdico, o graveto aguça a sensibilidade para as possibilidades artísticas da natureza. Muitos artistas utilizam troncos de árvores e gravetos como matéria prima de suas obras, tais como o escultor sergipano Cícero Alves da Silva, conhecido como Véio, ou ainda a artista plástica Leani Ruschel, que aproveita a derrubada de árvores, a poda de plantas e faz deles a base de sua arte.

POR QUE O GRAVETO É O MAIOR BRINQUEDO DO MUNDO?

Em primeiro lugar pela facilidade de acesso a esse elemento da natureza e sua gratuidade, e ainda porque o graveto:

– permite que a criança seja ativa e não uma expectadora diante dele

– provoca a imaginação criadora da criança

– abre possibilidades de atuação da criança, com a criação de brinquedos e brincadeiras

Ele se transforma no que a criança quiser!

COMO BRINCAR COM O MAIOR BRINQUEDO DO MUNDO?

-Encontre um lugar para explorar: um parque, uma praça, um jardim

-Procure por gravetos

-Use-os para fazer círculos, espirais, criar padrões como de uma mandala, empilhar, etc

Você pode fazer uma coleção de gravetos e experimentar criar muitas brincadeiras e brinquedos. Confira algumas possibilidades:

JOGO DA VELHA

Um jogo popular muito antigo, datado do século XIV antes de Cristo, no Egito, que tem como objetivo posicionar as peças de modo que formem uma linha reta. É um jogo simples e rápido.

Formam-se duplas para a brincadeira. Os gravetos são dispostos em uma superfície plana de modo que formem três linhas e três colunas. Cada criança escolhe um único símbolo (pedrinhas ou folhinhas). Os espaços em branco dessas linhas e colunas serão preenchidos com o símbolo escolhido. O objetivo é preencher as linhas diagonais ou as horizontais ou as verticais com um mesmo símbolo e impedir que a criança parceira faça isso primeiro.

Materiais necessários: 4 pedaços de gravetos, 5 pedrinhas, 5 folhinhas

JOGO DE EMPILHAR

Um jogo divertido em que cada participante coloca um graveto sobre o outro para formar uma torre.

O jogo começa com uma dupla de gravetos sobre uma superfície plana dispostos um ao lado do outro numa distância de uns 5 cm. Cada criança deverá acrescentar um graveto com o objetivo de levantar uma torre. O desafio é colocar com cuidado cada graveto para que a torre não desmorone.

Materiais necessários: vários gravetos mais ou menos do mesmo comprimento e espessura.

PINTURA DE GRAVETOS

Criação de duendes guardiões da natureza para espalhar no ambiente externo da casa – na grama do jardim ou num pedacinho de terra do quintal, e também em vasos de plantas da área interna da casa

Materiais necessários: vários gravetos, tinta e pincel.


Então, vamos transformar gravetos em possibilidades brincantes? O graveto pode transcender o objeto e virar verbo, ação – vamos gravetar com as crianças? É só deixar a imaginação voar e desfrutar do maior brinquedo do mundo!

Aproveito para fazer um convite: dia 25/08 às 19h30 acontecerá o ESTUDO INFINITUDES DO GRAVETO – UM BRINQUEDO POR NATUREZA

Participe, faça sua inscrição até o dia 19/08 e aplique cupom promocional estudoetm

Eu espero você!

Abraços brincantes

Ana Lúcia Machado

BRINCAR COM A NATUREZA – IMPRESSÃO BOTÂNICA

Vamos brincar com a natureza? Você sabia que é possível imprimir a natureza no papel? Para isso basta recolher folhas de árvores de diferentes formatos, tamanhos, texturas, espessuras, e usá-las como carimbo. As folhas não podem ser muito fininhas, precisam ser mais encorpadas para resistir ao processo de manipulação, pintura e pressão sobre o papel.

Material necessário:

-Folhas de árvores

-Papel

-Tinta Guache

-Pincel

BRINCAR COM A NATUREZA – IMPRESSÃO BOTÂNICA

Vamos lá?

1.Comece com um passeio por um parque ou praça próximo de sua casa ou da escola para recolher folhas espalhadas pelo chão.

2.Passe a mão sobre as folhas, sinta sua textura, perceba suas saliências, e escolha uma folha com bastante nervuras.

3.Pinte, com uma camada fina de tinta guache, toda a superfície do lado de maior saliência da folha. Não use muita tinta.

4.Em seguida coloque sobre o papel o lado da folha com a tinta e pressione com cuidado a folha sobre o papel em toda a sua extensão

5.Depois retire a folha e se encante com o resultado. Se ainda houver tinta sobre a folha, você pode carimbar mais uma vez sobre o papel

Você pode carimbar sobre o papelão, sobre as capas de caderno para decorá-los. Pode fazer lindos marcadores de páginas, cartões de aniversário, etc. As invenções não tem limites.

Outro jeito de transferir a imagem da folha da árvore no papel, é utilizando a ‘Frotagem’ – uma técnica artística que consiste em esfregar o lápis ou giz de cera no papel colocado sobre a folha de árvore, obtendo a impressão da forma e da textura da folha, como um decalque.

Brincar na natureza, com os elementos naturais, estimula a criatividade infantil e permite que a criança dê asas à imaginação inventando muitos brinquedos e brincadeiras. Brincando com os elementos naturais as crianças tornam se mais criativas, autônomas e concentradas.

Oportunizar brincadeiras ao ar livre também é uma maneira de incentivar a relação da criança com a natureza e seu vínculo com a terra.

Gostou da ideia do carimbo com folhas? Vamos brincar na e com a natureza com as crianças?

Curta outras sugestões de brincadeiras com elementos naturais seguindo meu Instagram @educandotudomuda e não se esqueça de me marcar ao postar suas criações, vou curtir muito ver.

Conheça também o ‘Livro do Educador brincando com a natureza’ e ótimas brincadeiras!

Abraço e saúde

Ana Lúcia Machado

Livros sobre árvores para crianças – dicas de leitura

Conheça a lista de livros sobre árvores para crianças – dicas de leitura da Biblioteca Verde do Educando Tudo Muda.

Está comprovado a influência positiva da relação da criança com a natureza para a formação de um vínculo afetivo com a terra e atitudes pró-ambientais na vida adulta. E a literatura é uma via potente para estimular a curiosidade das crianças pela natureza.

Despertar o apreço pelo mundo vegetal e o mundo animal por meio da leitura e contação de histórias na infância, é cultivar o amor pela natureza. É formar cidadãos que verdadeiramente se importarão com a preservação do meio ambiente na vida adulta.

Livros que mostram e falam sobre as plantas, as árvores, as várias espécies animais, com certeza provocam um novo olhar para a natureza do entorno. Com eles as crianças poderão aprender como vivem os bichos e as plantas, e sentirem-se estimuladas a observar com maior atenção aquela teia de aranha num cantinho do quintal ou até mesmo aquele capinzinho que insiste em brotar entre as fendas das calçadas na cidade.

Muitos adultos, amantes da natureza, recordam-se de histórias sobre o mundo natural lidas na infância. Tais livros ajudam a formar uma visão de mundo sistêmica, de vida sustentável, que contribuem para a alfabetização ecológica das crianças.

Você se recorda de algum livro lido, quando criança, que tenha influenciado positivamente sua relação com o mundo vivo?

Muitos livros são lançados todos os anos, o que torna a escolha de uma boa publicação uma tarefa bem difícil. Pensando em facilitar a vida dos pais e dos professores, aqui está uma lista de livros que falam de árvores. Os quatro primeiros livros foram  lançados no primeiro semestre deste ano.

 

LIVROS SOBRE ÁRVORES PARA CRIANÇAS

1.A árvore em mim, ‎ Corinna Luken, Editora Pequena Zahar

Um delicado poema ilustrado que revela a força existente dentro de cada um de nós, convidando o leitor a olhar mais profundamente para a natureza do mundo e para a própria natureza.

Construído a partir de cenas de crianças se divertindo ao ar livre, A árvore em mim explora as várias maneiras como nós, seres humanos, somos fortes, criativos e conectados aos outros. A beleza e a graciosidade das ilustrações fazem com que os leitores queiram se transportar para dentro do livro e o estilo de escrita é simples e ritmado, com frases curtas que despertam os sentidos ao longo da leitura, muito apropriada para ser feita em voz alta.
O texto de Corinna Luyken acompanha o protagonista ao longo de uma jornada alegre de autodescoberta, autocompreensão e autoapreciação ao reconhecer que muitas das características das árvores também estão vivas dentro de nós. Há também um aceno visual para uma das descobertas científicas mais reveladoras e de mudança de paradigma em nossa vida ― a surpreendente teia micelial pela qual as árvores se comunicam no subsolo, uma descoberta que pode ser a metáfora mais adorável da natureza para a amizade e o afeto.
Um livro maravilhoso, filosófico e inspirador.

Indicação: a partir de 4 anos.

Sobre o Autor

CORINNA LUYKEN é uma autora e ilustradora norte-americana, cujo talento é reconhecido internacionalmente. Cresceu em diferentes cidades ao longo da Costa Oeste dos Estados Unidos e depois de estudar dança, escrita criativa e gravura no Middlebury College se estabeleceu em Washington, onde vive com seu marido, sua filha e dois gatos.

2.Árvores, Piotr Socha, WMF Martins Fontes

Trata-se de um livro enciclopédico infantojuvenil com conteúdo abrangente sobre as árvores de todo o mundo em todos os tempos.

Qual é a árvore mais alta do mundo? Desde quando existem as árvores e quanto tempo elas vivem? Existe um hotel construído em uma árvore? E o que podemos fazer para ter certeza de que as árvores sobreviverão para o futuro? Este livro responde   essas questões e a muitas outras – de maneira leve e perspicaz.

O autor perfaz a história das árvores desde os tempos antigos até os dias de hoje, examinando, ao longo do percurso, o papel que as árvores tiveram na história, na mitologia e em todo o mundo natural.

O livro é todo ilustrado, com textos informativos, e traz as árvores como ligação entre diversos elementos de vida, diversidade, evolução, construção e morte.

Sobre o Autor

Piotr Socha é designer gráfico, ilustrador e um dos cartunistas mais populares da Polônia, tendo contribuído com seus desenhos em diversos periódicos daquele país, além de assinar a coautoria dos livros Abelhas e Árvores.

Wojciech Grajkowski é um biólogo polonês que se dedica a escrever sobre natureza e ciência para crianças.

3.Debaixo das copas, Iris Volant, ‎ VR Editora

Sabe essa árvore de galhos fortes em que você acabou de subir? E aquela enorme do parque, com raízes saindo pela terra? E a da praia, que faz uma sombra perfeita? Cada uma delas tem uma história para contar. Pode estar conectada à sua trajetória pessoal e pode também fazer parte das histórias de um povo de algum lugar. Sejam protagonistas ou coadjuvantes, as árvores aparecem em contos, lendas e narrativas verídicas da humanidade. São sagradas, como a imensa samaúma da Amazônia, ou responsáveis por grandes saltos nas ciências, como a singela macieira de Isaac Newton, que, quase discretamente, fez o físico elaborar a teoria da gravidade. Gigantes ou pequenas, míticas ou provedoras, frondosas ou escassas em folhas, simbolizam universalmente a diversidade e a resistência. Debaixo das copas reúne árvores de todos os tipos e continentes. Você vai se encantar com as histórias que as cercam e as transformam em verdadeiros patrimônios culturais, além, é claro, de conhecer um pouco de suas características.

Sobre o Autor

Cynthia Alonso nasceu em Buenos Aires, na Argentina. Seu trabalho já foi reconhecido e premiado em diversos concursos e feiras, entre elas a Feira Internacional do Livro Infantil de Bolonha. Desde 2016, vive em Berlim, na Alemanha.

Indicação: a partir de 10 anos

4.Árvores geniais, Philip Butting,  ‎Brinque-Book

Elas se comunicam entre si, purificam o ar que respiramos, nos dão sombra, frutos e papel para escrever. As árvores são geniais! E este livro vai te contar por quê.

Mais um livro de Philip Bunting para todas as idades. Árvores geniais, com o humor característico do autor, traz informações curiosas e surpreendentes sobre nossas amigas folhudas. Além de explicar a fotossíntese de modo claro e acessível, o livro ressalta a importância das plantas em nosso dia a dia ― principalmente nessa função vital que é a respiração ― e ainda nos revela a existência de uma admirável rede de conexões formada pelas árvores para cooperarem entre si. Ao apresentar esses e outros de seus aspectos extraordinários, a obra demonstra sua importância e procura despertar em nós, leitores e habitantes do planeta Terra, a consciência e responsabilidade ambientais.

Árvores geniais foi eleito um dos melhores livros infantis do ano de 2022 pelo Children’s Book Council da Austrália.

Indicação: a partir de 6 anos.

Sobre o Autor

PHILIP BUNTING cresceu na Inglaterra, mas mudou-se para a Austrália com pouco mais de vinte anos. O autor e ilustrador publicou seu primeiro livro em 2017. Hoje, ele tem obras traduzidas para diversos idiomas e publicadas em mais de 30 países. Muitas delas receberam premiações de instituições do livro, como a Kate Greenaway Medal, da Inglaterra, e o Children’s Book Council, da Austrália.

5. A árvore das lembranças, Britta Teckentrup, Editora Rovelle

A raposa levou uma vida longa e feliz na floresta. Mas quando sentiu-se muito, muito cansada, entendeu que era hora de partir. Tristes, seus amigos da floaresta reúnem-se em volta dela para relembrar os momentos felizes que viveram juntos. Mas uma agradável surpresa irá aquecer o coração de cada um deles e transformar a dor da saudade em um alegre farfalhar de folhas ao vento. Um livro delicado e tocante, que celebra a vida e nos ajuda a resgatar as doces lembranças daqueles que amamos. Uma história para falar sobre a saudade e a ausência de pessoas queridas com as crianças.

Indicação: 2 – 5 anos

Sobre o Autor

Britta Teckentrup é ilustradora, artista plástica e escritora. Nasceu em Hamburgo, na Alemanha, e estudou no St. Martin’s College e no Royal College of Art, em Londres. Já publicou mais de quarenta livros, que foram traduzidos para vinte idiomas, e participou de exposições de arte no mundo inteiro. Mora e trabalha em Berlim com o marido, também artista, e o filho.

6.As árvores do Brasil, lalau e Laurabeatriz, Editora Peirópolis

Árvores do Brasil apresenta algumas das árvores mais importantes do nosso país. É uma homenagem a essas verdadeiras maravilhas da natureza que nos dão sombra e frutas, evitam que a erosão acabe com nossos rios, oferecem abrigo e alimento aos bichos e passarinhos, ajudam a retirar poluentes do ar que respiramos e deixam a vida mais bonita e florida. Lançado em 2011, no Ano Internacional da Floresta, o livro é um grande e colorido desfile de quinze espécies de árvores, três de cada bioma brasileiro: pau-brasil, araucária, jequitibá, ipê-do cerrado, buriti, jatobá-do-cerrado, juazeiro, mulungu, umbuzeiro, ipê-roxo, jenipapo, pau-formiga, castanheira-do-pará, piquiá e mogno.Cada árvore ganhou um poema, uma ilustração e a companhia de um bicho que mantém alguma relação de vida com ela: alimenta-se das frutas e folhas, procura abrigo, ajuda a espalhar sementes ou caça insetos que vivem nos troncos.No final, o livro traz nomes científicos e textos sobre a altura que podem atingir, principais características e usos das madeiras, como os frutos são consumidos pelo homem, problemas que enfrentam na natureza e outras informações.

Indicação: 5 – 8 anos

Sobre os autores: paulistano Lázaro Simões Neto, mais conhecido como Lalau, e a carioca radicada em São Paulo Laura Beatriz de Oliveira Leite de Almeida, a Laurabeatriz, estão sempre pesquisando novos bichos para virarem poemas e desenhos

7.A árvore do Beto, Ruth Rocha, Editora Salamandra

Beto era amigo de todo mundo lá na rua do Catapimba, do Caloca, do Armandinho. E não só: também era amigo do padeiro, do sapateiro, do senhor do carrinho de pipocas. Mas no Natal era sempre a mesma coisa: o pai do Beto não tinha dinheiro para comprar uma árvore para a família. Isso deixava o Beto muito, muito triste. Então ele resolveu plantar uma muda de árvore e cuidar dela. Todo ele ia até o terreno regar a mudinha, que cresceu e ficou linda. Em dezembro, chegou a hora de levar a árvore para casa. Mas como? Ele ia cortar, serrar, matar aquele ser de que ele cuidou com tanto carinho? o que fazer? Só ele podia decidir. Este é mais um volume da série a Turma da Nossa Rua, em que a Ruth Rocha narra sempre uma história que poderia ter acontecido logo ali virando a esquina da nossa casa, mostrando as dificuldades e as belezas da nossa vida (nada) comum.

Indicação: ‎ 9 – 12 anos

8.Uma árvore, Rodrigo Mattioli, Editora Gato Leitor

Alina resolveu plantar uma árvore. Sua atitude desencadeou uma série de mudanças. Da árvore cresceu um galho. No galho passarinhos construíram seu ninho. No ninho surgiram 3 ovinhos. E se a menina não tivesse plantado a árvore? Pequenas atitudes transformam o mundo. Uma história de fé, pois todo aquele que planta, tem que acreditar no poder da semente. E se cada criança tivesse a mesma atitude de Alina?

Indicação: a partir de 3 anos

Sobre o Autor

Rodrigo Mattioli nasceu em Brasília, em 1982. Formou-se em Comunicação Social pela Universidade de Brasília (UnB) em 2006 e, desde então, trabalha com imagem e comunicação nos mais diversos tipos de mídia. Atualmente dedica-se a escrever e ilustrar livros infantis. Em 2018, foi selecionado no concurso internacional Key Colours para ilustradores de livros infantis e, em 2019, foi vencedor do prêmio Apila Primera Impresión na Espanha com o livro “Un árbol”.

9.O livro das árvores, Jussara Gomes Gruber, Global Editora

O livro das árvores é fruto do trabalho realizado pela Organização Geral dos Professores Ticuna Bilíngues. Criada em 1986, faz parte do programa de formação de professores indígenas, no Amazonas. O livro é o registro da intensa relação dos Ticuna com a terra, com a floresta e com as árvores. A floresta é a maior riqueza que deixaremos para os nossos filhos. Representa, também, um registro valiosíssimo das várias espécies da flora e da fauna, dos rituais, crenças e lendas, da organização social, dos valores e costumes desse grupo indígena, atualmente o mais numeroso do país, com aproximadamente 32.000 pessoas em suas 100 aldeias. Os desenhos, marcados por traços fortes e cores vivas, foram elaborados individualmente, enquanto os textos foram criados de forma coletiva pelo grupo. Através desses muitos narradores que contam com palavras e imagens a sua verdadeira História, não só a criança, mas também o adulto precisaria ler para conhecer melhor uma parte importante da cultura de seu país.

Além de muito lindo o livro, com pinturas produzidas por indígenas brasileiros, este também conta várias lendas que retratam a cultura desses povos contribuindo para o enriquecimento de nossa cultura.

Idade de leitura ‏ : ‎ 9 – 12 anos

10. A árvore magnífica, por Nick Bland (Autor), Stephen Michael King (Ilustrador)

Quando pai e filha se juntam, surgem ideias para muitas coisas. As ideias de papai são grandes e corajosas e as de Bia são simples e bem pensadas. Os dois amam os passarinhos e decidem construir algo para atrair os pássaros e conviver mais com eles. Juntos vão colocando em ação suas ideias desde o verão, atravessando o outono e inverno, até a chegada da primavera quando enfim uma revoada de pássaros pousa sobre o projeto construído por papai e em seguida sobre o projeto cultivado pela Bia. Que tal conhecer e acompanhar o trabalho dos dois?

Indicação: 3 – 5 anos

Sobre o autor: NICK BLAND nasceu em Victoria, na Austrália, em 1973. Filho de um artista e de uma professora de educação infantil, ele passou a infância subindo em árvores e fazendo travessuras no estúdio de seu pai. Agora vive em Darwin, onde trabalha em tempo integral como ilustrador e autor.

11.Era uma vez uma semente, Judith Anderson (autora), Mike Gordon (ilustrador) – Editora Spicione

Como pode uma semente se tornar uma planta que formará novas sementes? Uma menininha muito esperta, acompanha o processo de transformação das plantas ao lado do seu querido avô. Juntos eles observam o germinar da semente, seu crescimento, o que ela precisa para se desenvolver e muito mais.

Indicação: 6 – 8 anos

 

 

 

 

 

12.A árvore generosa, Shel Silverstein, Editora Companhia das Letrinhas

Uma história sobre a amizade entre um menino e uma árvore que mostra a generosidade da mãe natureza, além da ambição humana. O menino desfruta de tudo o que a árvore pode oferecer – seus frutos, sua sombra, seus galhos.  Entretanto, a medida que o menino cresce, aumenta sua ganância e assim ele extrapola a exploração dos recursos da árvore. Uma história para exercitar a empatia incentivando nos colocarmos no lugar da árvore.

Indicação de leitura: 4 – 9 anos

Sheldon Allan Silverstein nasceu em Chicago, nos Estados Unidos, em 1930, país em que viveu até sua morte, em 1999. Publicou suas primeiras histórias no jornal militar Pacific and Stripes, enquanto servia o exército na Coreia, nos anos 1950. Em 1961, estreou com o romance Uncle Shelby’s ABZ Book, que despertou a curiosidade de um editor de livros infantis. Dois anos depois, Silverstein lançaria sua primeira publicação para crianças, Leocádio, o leão que mandava bala.

Desde então, não parou de escrever. Muitos de seus livros, como Uma girafa e tanto A parte que falta, foram publicados em dezenas de países. Sua obra mais consagrada é A árvore generosa.

Gostou das dicas? Outras indicações você encontra na Biblioteca Verde para crianças do Educando Tudo Muda, consulte.

Ótima leitura!

Abraços

Ana Lúcia Machado

ESCOLAS SEM PAREDES – aprendizagens ao ar livre

escolas sem paredes
Escola Àgora

Escolas sem paredes – hoje quero falar sobre um jeito diferente de ser escola. A ideia que educação se restringe a disciplinas, conteúdos, livros, cadernos, lápis, e carteiras enfileiradas entre quatro paredes, tem sido desbancada por instituições educacionais que pensam e fazem diferente.

Estou falando de escolas que nasceram numa concepção de integração com a natureza sob a perspectiva de uma educação conectada à vida. A escola como encontro e confronto com a natureza potencializando o desenvolvimento integral da criança e promovendo aprendizagens significativas.

Estas escolas entendem que um modelo de educação que não considera a relação com a natureza como base da formação dos educandos, que não leva a criança para a natureza e a natureza até a criança, está na contra mão da visão do ser humano integral, da verdadeira educação ambiental e do desenvolvimento para a sustentabilidade.

As escolas de hoje estão sendo desafiadas a romper com o velho modelo de sala de aula e a despertar para o potencial educador da natureza, reconhecendo outros territórios educativos como ambientes de aprendizagens. 

Em contato com a natureza as crianças aprendem sobre os princípios que regem a vida na Terra – seus ciclos de nascimento, vida e morte, fluxos, processos evolutivos, o que a leva a compreensão de si, do outro, do seu meio e das suas relações.

A interação da criança com a natureza melhora o desenvolvimento intelectual, incentiva o pensamento crítico, a inteligência emocional, o trabalho em equipe, e a capacidade de resolução de problemas.

A exploração dos espaços ao ar livre oferece oportunidades educativas muito mais efetivas e perduráveis para as crianças e jovens, é o que afirma  a britânica Juliet Robertson, consultora educacional especializada em educação ao ar livre e autora do livro ‘Educar fuera del sala’. Robertson diz que todo o currículo pode ser ensinado fora da sala de aula, acredite.

Quem defende também as escolas sem paredes é o jornalista e especialista em advocacia pela infância, Richard Louv, autor do livro ‘A última criança na natureza’. Louv argumenta que os professores deveriam libertar as crianças da sala de aula para que por meio da relação das crianças com a natureza seja inaugurada uma nova educação.

Pastas cheias de atividades não são mais importantes que as experiências vividas e os conhecimentos incorporados pelas crianças. Toda essa papelada de atividades pode não representar aprendizagens. A criança precisa ver e tocar as materialidades da terra,  precisa sentir aromas, ouvir sons, desfrutar sabores no mundo real.

Thomas Berry adverti que

ensinar às crianças sobre o mundo natural deveria ser tratado como um dos eventos mais importantes da vida delas

A educação ao ar livre é ainda um grande desafio para as escolas no Brasil, por isso selecionei 7 escolas inspiradoras que priorizam a relação e o aprendizado ao ar livre, em conexão com a natureza.

ESCOLAS

SEM PAREDES

1.ESCOLA MAGIA DO SABER, Florianópolis SC
96.000 m² de área verde, a natureza como espaço educador

2.CASA REDONDA, Carapicuíba SP
um espaço na natureza, aberto ao encontro sensível com a vida

3.ESCOLA ÀGORA, Cotia SP
muitas árvores e fauna tendo a natureza como propulsora do brincar e aprender

4.ESCOLA WALDORF DENDÊ DA SERRA, Serra Grande BA
cercada de matas e rios, a natureza é palco do desenvolvimento integral e aprendizado das crianças

5.COLÉGIO VIVER, Cotia SP
todo espaço é lugar de aprendizagem em meio a uma extensa área verde

6.TE-ARTE, São Paulo SP
o tempo e a essência da criança respeitados, orientam a educação numa comunhão com a natureza.

7.ESCOLA OFICINA PINDORAMA,  Vargem Grande Paulista SP
pomar, horta, jardim, animais livres onde a criança aprende na interação com a natureza, o mundo e a sociedade.

Você conhece outras escolas sem paredes? Conte aqui nos comentários.

Abraço e saúde

Ana Lúcia Machado

BRINCAR SEM PLÁSTICO – brincar na e com a natureza

Brincar sem plástico

Brincar sem plástico é nosso desafio em julho, mês dedicado à redução do uso de materiais plásticos, em especial os descartáveis de uso único.

Você sabia que em julho acontece uma campanha global denominada “Julho sem plástico”?  A campanha tem por objetivo diminuir o uso e o descarte de plástico no planeta. Esse movimento começou em 2011 com a Ong australiana Plastic Free Foundation pedindo para as pessoas, durante o mês de julho, evitarem o uso de plásticos descartáveis, de uso único ou de curto prazo. O sucesso da iniciativa ganhou adeptos por todo o mundo.

Pegando carona neste movimento, Educando Tudo Muda propõe a reflexão sobre a presença do plástico no brincar da criança, e o desafio do brincar sem plástico,  sugerindo algumas ações para diminuir a quantidade de brinquedos plásticos visando a redução da produção e consumo desse material e  incentivando o brincar livre na e com a natureza.

Por que aderir ao movimento brincar sem plástico?

A poluição plástica é hoje uma das principais causas de agressão ao meio ambiente e à saúde dos seres viventes. Pesquisa recente do Instituto Alana, conduzida pelo Grupo de Estudos e Pesquisa em Química Verde, Sustentabilidade e Educação (GPQV), da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), apresenta importantes dados que alertam sobre os brinquedos de plástico e seu impacto na saúde das crianças e do meio ambiente.

Muitos utensílios infantis de uso diário são feitos desse material: mamadeiras, chupetas, copos, pratos e principalmente brinquedos. Sabemos que 90% dos brinquedos fabricados no mundo são feitos de plástico e que nem todo tipo de plástico é adequado para a produção de brinquedos. Algumas substâncias utilizadas na fabricação desses produtos são potencialmente tóxicas, cancerígenas e causadoras de distúrbios hormonais nas crianças.

Outro agravante são aqueles brinquedos de origem duvidosa, de fácil aquisição e baixo custo, brinquedos comercializados ilegalmente, sem certificação do INMETRO.  São brinquedos de baixíssima qualidade que quebram facilmente e logo são descartados indo parar no lixo em curto tempo.

 

Você sabe avaliar o que é um bom brinquedo para a criança? 

Brinquedo precisa ser de plástico? 

É preciso brinquedo para brincar? 

Com quantos brinquedos se faz uma infância feliz?

 

Para não cometer excessos, cair em modismos ou subestimar a capacidade criativa das crianças, precisamos entender a relação das crianças com os brinquedos.

Quanto menos estruturado e cheio de detalhes for o brinquedo, mais ele exigirá da criança e permitirá o uso da imaginação e criatividade. Quanto mais simples ele for, maior a liberdade da criança em transforma-lo em outras coisas de acordo com o enredo das suas brincadeiras.

Sob o ponto de vista da imaginação e criatividade infantil, os brinquedos industrializados feitos de materiais sintéticos, criam uma situação de passividade na criança, provocam um certo “empreguiçamento” e empobrecimento da vida interior. Uma vez que esses brinquedos são desenvolvidos com funcionalidades específicas, entregam nas mãos da criança um produto rígido, limitando a atuação infantil, e na maioria das vezes fazendo dela mera expectadora ou executora.

Em termos de estímulos sensoriais, o plástico é um material extremamente limitado e pobre para o desenvolvimento infantil – sem cheiro; é frio e liso ao tato; é leve, possui tamanho desproporcional ao peso; de cor forte e antinatural.

Na concepção do artista plástico e teólogo Gandhy Piorski, autor do livro Brinquedos do Chão, “o plástico é um imitador de realidades que induz a criança a falsas sensações distanciando-a dos processos de aprendizagens do mundo vivo”.

Susan Linn, psicóloga norte-americana, autora do livro  ‘Crianças do consumo: a infância roubada’, afirma que uma boa brincadeira é 90% a criança e 10% brinquedo. Os brinquedos industrializados, os brinquedos prontos,  fazem exatamente o inverso: sobrepõem-se a potência da criança e ao seu protagonismo.

Indo ainda mais fundo nesta questão, a escritora britânica Jay Griffiths, em seu livro “Kith – the riddle of the Childscape”, afirma que “as crianças que brincam apenas com brinquedos industrializados têm um oco interior que não pode ser suprimido pelo seu próprio brincar e por sua imaginação, criando uma relação de dependência da indústria do entretenimento para sua satisfação constante.”

 

NATUREZA, O MAIOR E MELHOR PARQUE DE DIVERSÕES E BRINQUEDOS

Brincar sem plásticoOs ambientes naturais, ricos em áreas verdes, são fonte de um brincar criativo. Sabemos o quanto o brincar é fundamental para o desenvolvimento infantil e a saúde da criança. Entretanto é preciso ressaltar que a potência da atividade lúdica se encontra na própria criança e não apenas nos brinquedos.

É necessário oferecer a criança tempo e espaços que favoreçam o brincar. E não existe lugar mais positivo para isso do que a natureza, o melhor brinquedo. Nela encontramos os estímulos mais ricos e completos para o desenvolvimento integral da criança.

Brincar em espaços naturais coloca a criança diante do potencial lúdico da natureza e expõe os pequenos à riqueza e diversidade dos elementos naturais, propiciando infinitas possibilidades de brincadeiras e invenção dos próprios brinquedos com o que a natureza oferece – gravetos, sementes, folhas, etc.  Brincando com a natureza a criança explora um campo fértil para o exercício da criatividade. As materialidades telúricas são provocadoras, nutrem a imaginação criadora e a vida anímica da criança.

Um passeio na mata, uma caminhada no parque, praça ou jardim, num lugar bonito com pássaros, árvores, plantas, flores, terra úmida e insetos, aguça a curiosidade infantil. Cheiros novos, sons de pássaros, do vento, das folhas secas. Formas diferentes de folhas, cores variadas de flores. Observar formigas, lagartas, minhocas, musgos, líquens, diversos seres vivos fascinantes para a essência curiosa e exploratória da criança.

Andar na lama, na chuva. Acompanhar borboletas, subir em árvores, correr entre elas ou se esconder, colher frutos, pegar pedras. Construir brinquedos e composições artísticas com objetos da natureza, dar asas à imaginação. Tudo isso são possibilidades encantadoras dos brinquedos oferecidos pela terra. De forma que ao término da brincadeira, em uma autêntica logística reversa, tudo pode retornar para a natureza decompondo se, e gerando mais vida.

Podemos fazer escolhas simples em prol da saúde da criança, mas para isso é necessário atitudes firmes frente aos apelos de consumo da publicidade das empresas fabricantes de brinquedos. Se estivermos convictos dos efeitos negativos deste excesso de plástico na vida da criança e das consequências para o meio ambiente, tenho certeza que será mais fácil dizer “não” para o próximo brinquedo de plástico.

A saúde da criança e do meio ambiente dependem da nossa reconexão com a natureza em todos os âmbitos da vida e da ética do cuidado a todos os seres viventes.

 

COMO MUDAR HÁBITOS E PROMOVER O BRINCAR SEM PLÁSTICO?

Brincar sem plástico – a mudança começa com pequenas atitudes e cada um de nós pode fazer a diferença.  A conscientização sobre nossos atos e hábitos é o primeiro passo. Comece analisando a quantidade de brinquedos de plástico que você tem em casa. Essa análise também é válida para as escolas, principalmente as escolas de Educação Infantil.

Algumas atitudes podem contribuir para as mudanças que queremos ver no mundo:  o incentivo ao brincar livre na natureza, a aquisição de brinquedos feitos de outros materiais, a redução do consumismo de brinquedos plásticos, o aumento da vida útil dos brinquedos de plástico que as crianças já possuem por meio do incentivo a práticas de trocas, empréstimos e doação de brinquedos, a adoção de brinquedos coletivos, etc. Veja algumas sugestões:

 

1.Promova o brincar livre na natureza – no quintal de casa, jardim, praças ou parques públicos

2.Incentive as crianças na criação de seus próprios brinquedos, como faziam nossos antepassados, utilizando elementos naturais: gravetos, sementes, folhas, pedras. Vale também papelões, rolhas, tecidos, revistas e jornais – reutilize esses materiais

3.Opte por outros materiais ao adquirir brinquedos novos para as crianças, como os brinquedos artesanais, educativos – brinquedos de madeira de reflorestamento, de feltros, bonecas de pano, etc

4.Reduza os brinquedos plásticos deixando disponíveis apenas aqueles com os quais a criança brinca com maior frequência, os seus favoritos

5.Dê um novo destino aos brinquedos mais velhos ou aqueles com os quais a criança não brinca mais, doando-os para instituições. Isso prolongará a vida útil do brinquedo, evitando o descarte

6.Faça os brinquedos circularem entre as crianças organizando feiras de trocas

7.Incentive o empréstimo de brinquedos entre amigos da escola, vizinhança e familiares

8.Adote a prática do brinquedo coletivo entre irmãos e primos, valorizando o acesso em detrimento da posse

9.Leve os brinquedos quebrados aos hospitais de brinquedos para serem recuperados ou doe para serem customizados

10.Descarte adequadamente os brinquedos que não têm mais conserto e/ou cobre dos fabricantes a logística reversa

11.Converse com sua família e amigos sobre o movimento brincar sem plástico e comunique a sua decisão de reduzir o uso de brinquedos de plástico para obter apoio

12.Compartilhe em suas redes sociais fotos, vídeos de dicas de brinquedos feitos de outros materiais, e das crianças brincando na e com a natureza usando #brincarsemplastico para atrair mais adeptos

Brincar sem plástico – esse é sem dúvida um grande desafio para as famílias e para as escolas. Sabemos que não eliminaremos o plástico de nossas vidas totalmente, mas podemos refletir sobre seu uso, nossas escolhas e o consumo de maneira ética.  Precisamos nos unir por um mundo com menos resíduos, em prol da saúde da criança e do planeta. Adote o #brincarsemplastico em sua casa e em sua escola, e incentive o brincar na e com a natureza.

 

CONVITE ESPECIAL: Cadastre-se para receber nossa newsletter e baixar gratuitamente o e-book  ‘Brincando com os 4 elementos da natureza’. Conheça as demais publicações ‘A Turma da Floresta uma brincadeira puxa outra’ e ‘Livro do Educador brincando com a natureza’.  Acompanhe o Educando Tudo Muda pelo Instagram @educandotudomuda

 

Abraço afetuoso e saúde

Ana Lúcia Machado